quinta-feira, 16 de dezembro de 2010

Meu delírio

A rede continua balançando
E eu ali, fumando o meu cigarro
Cada trago é um alívio
Saio do distúrbio e entro em delírio
Assim que eles começam a vir
Um atrás do outro
Seguido por uma nota músical
Depois outra
E que venha a melodia!
Aquela que me lembra da vadia
Que amei e dei minha vida
Velhos tempos que apaguei ontem
Quando parei de ser criança
E dei a mim uma nova esperança
Peguei um lápis e desabafei
Escrevi por onde passei
O que quero e onde vou chegar
Mas a única certeza que encontrei
É que quando as luzes se apagarem
O mundo irá girar em torno de mim
E eu vou ver todos vocês no fim

Um comentário:

Patrícia Lemmon disse...

E que venha a melodia!
Aquela que me lembra da vadia

ficou engraçado, rimando melodia com vadia...
Gostei!